Notícias

Cinco pessoas são presas em ação conjunta das polícias Civil e Rodoviária Federal

10/01/2020 - Wherbert Araújo/ Governo do Tocantins

A Polícia Civil do Tocantins, por meio da 60ª Delegacia de Polícia de Nova Rosalândia, na região Central do Estado, desarticulou na manhã desta sexta-feira, 10, em Nova Rosalândia, uma organização criminosa especializada na venda ilegal de combustíveis. A ação contou também com o apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF).  Na ocasião, foram presos cinco motoristas de uma empresa e o proprietário de um posto clandestino de combustíveis.

De acordo com o delegado Bruno Baeza, após denúncias anônimas, as equipes de policiais passaram a monitorar a ação dos criminosos, que consistia em trazer os combustíveis para um ponto ilegal de descarga dos veículos, e em seguida efetuar a distribuição em compartimentos irregulares de manutenção. “Após as diligências efetuadas, foi possível identificar elementos que denotam alto grau de organização do grupo criminoso, como a apreensão de lacres intactos que substituíam outros já violados pelos seus integrantes”, afirmou.

Abordagem

Durante a ação policial, um receptador que estava no local conseguiu se evadir, deixando para trás galões cheios de combustíveis empilhados em seu veículo. “Detectou-se ainda indícios de que o proprietário do estabelecimento ilegal comercializava combustíveis provenientes de outras empresas de transporte, de modo que, apenas com o aprofundamento das investigações”, ressalta o delegado Bruno Baeza, “é que será possível afirmar a quantidade de combustível efetivamente desviado pelo grupo criminoso”.

Crimes

Os conduzidos deverão ser indiciados por crime contra a ordem econômica, consistente na comercialização e armazenamento ilegal de combustíveis, furto qualificado praticado em continuidade delitiva e constituição de organização criminosa. Após os procedimentos cabíveis, eles serão encaminhados, ainda nesta sexta-feira,10, para a Casa de Prisão Provisória de Paraíso do Tocantins e permanecerão à disposição da Justiça.

Compartilhe esta notícia