Notícias

Cidadania e Justiça promove ações da campanha "Faça Bonito - Proteja nossas crianças e adolescentes"

14/05/2019 - Vitória Soares /Governo do Tocantins

Proteger crianças e adolescentes é um dever da sociedade e do Estado, diante disso, a Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju), por meio da Superintendência de Administração do Sistema de Proteção dos Direitos da Criança e do Adolescente (SASPDCA) está realizando a campanha Faça Bonito - Proteja nossas crianças e adolescentes em alusão ao Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, promovido nacionalmente no dia 18 de maio. 

A campanha Faça Bonito tem a finalidade de chamar a sociedade para assumir a responsabilidade de prevenir e enfrentar o problema da violência sexual praticada contra crianças e adolescentes no Brasil. A prevenção e o enfrentamento a esse grave problema demandam a articulação de ações intersetoriais. Para isso, a Superintendência de Proteção dos Direitos da Criança e do Adolescente elaborou um cronograma de ações a serem desenvolvidos.

O primeiro município a receber a ação foi Lajeado, nesta terça-feira, 14, foi realizado um seminário com a temática Fortalecimento da Rede de Proteção dos Direitos da Criança e do Adolescente. O evento ocorreu no Centro de Referência de Assistência Social (Cras) de Lajeado e contou com a palestra da presidente do Conselho Estadual dos Direitos da criança e do Adolescente (CEDCA/TO), Julane Marise, que também conduziu as discussões acerca da temática. 

Para o prefeito de Lajeado, Tércio Dias Melquiades Neto, a parceria entre o município e Governo do Tocantins possibilita a troca de informações acerca da temática com a finalidade de proteger as crianças e adolescentes tocantinenses. “A parceria com Secretaria de Cidadania e Justiça veio trazer conhecimento para a rede de Proteção dos Direitos da Criança e do Adolescente que atua na cidade”, ressaltou.  

O superintendente de administração do Sistema de Proteção dos Direitos da Criança e do Adolescente, Gilberto da Costa Silva, explica que ações como essa buscam fortalecer a rede de proteção. “A Secretaria de Cidadania e Justiça tem realizado ações que visam fortalecer a rede de Proteção dos Direitos da Criança e do Adolescente para enfrentar esse grave problema no nosso Estado”, contou. 

Presentes 

O seminário contou com a presença de representantes do Conselho Tutelar, do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), Centro de Referência de Assistência Social (Cras), do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), do Conselho Estadual dos Direitos da criança e do Adolescente (Cedca/TO), do prefeito de Lajeado e de vereadores.   

Ações em Palmas 

Na capital, duas blitz educativas serão realizadas, uma na Avenida JK, no centro de Palmas e outra na Avenida Tocantins, em Taquaralto, com intuito de conscientizar a população acerca do combate a exploração sexual de crianças e adolescentes. As ações devem ocorrer às 17h nos dias 16 e 17 de maio, respectivamente. 
Além das blitzen, será efetuada uma vacinação simbólica, que consiste na promoção de diálogos sobre os bons tratos com crianças e adolescentes e entrega de cartão de conscientização sobre a temática. A ação envolverá alunos da escola pública Escola Estadual Vale do Sol na execução das atividades. 

Faça Bonito 

A campanha Faça Bonito é promovida pelo Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes e adotada em diversos estados do Brasil. Ela tem o intuito de fomentar a conscientização da população acerca dos direitos da Criança e Adolescente.  

As ações são intensificadas nos meses de abril e maio em alusão ao Dia Nacional de Combate Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, que é promovido no dia 18 de maio. A data foi escolhida devido a um crime ocorrido em 1973, em Vitória (ES), quando Araceli Cabrera Sanches foi sequestrada, espancada e abusada sexualmente por dois homens e mesmo com o aparecimento de seu corpo, desfigurado por ácido, os criminosos saíram impunes, pois poucos tiveram a coragem de denunciar. 

Compartilhe esta notícia