Notícias

Sine de Palmas oferta 70 vagas para Pessoas com Deficiência

08/11/2018 - Cláudio Duarte/Governo do Tocantins

Com 70 vagas e atendimento exclusivo para Pessoas com Deficiência, a Secretaria de Estado do Trabalho e Desenvolvimento Social (Setas), por meio do Sistema Nacional de Emprego (Sine/TO), realiza nesta quinta-feira, 8, o Dia D - Dia Nacional de Inclusão Social e Profissional das Pessoas com Deficiência e dos Beneficiários Reabilitados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O evento, em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), segue até as 14 horas, na Unidade de Palmas/Centro, na Quadra 104 Sul, ACSE-1, Conj 03, SE 03, Lt 25 (próximo ao Camelódromo).

A gestora da Setas, Wande Mary Oliveira, falou da importância do evento na agenda da Secretaria. “A Setas, por meio do Sine, busca as vagas de trabalho e disponibiliza a todos que procuram emprego. Agora é o momento de mediarmos esse diálogo entre os empregadores e as Pessoas com Deficiência; auxiliando as empresas a cumprirem suas metas e as pessoas a conquistarem um lugar no mercado de trabalho”, afirmou.

Falando sobre a importância do evento, o superintendente do MTE, Celso Cézar Amaral, disse que, voluntariamente, a oferta de vagas para Pessoa com Deficiência (PCD) ainda é bastante insignificante e que essa é uma realidade que precisa ser modificada. “De modo geral, ainda não alcançamos a consciência da necessidade e importância de inserção do PCD no mercado de trabalho; a grande maioria das vagas ainda é disponibilizada por meio da ameaça de sanções aos empregadores”, afirmou.

Já a auditora Fiscal do Trabalho, Esthefany Mendes, esclareceu, aos presentes, sobre a funcionalidade da Lei N°8.213/91, que trata das cotas de inclusão de PCD e alertou para as vantagens de se ter um trabalho, como a tendência de achatamento do benefício em vários países e o fato de não proporcionar pagamento de pensão a dependentes em caso de falecimento.

Em sua palestra, o técnico judiciário do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Clairton Tomazi, que perdeu a visão aos 18 anos, passou por readaptação e atualmente é trabalhador concursado, falou aos trabalhadores com PCD e aos empregadores. Aos primeiros, ressaltou da necessidade do cumprimento das tarefas para as quais são contratados: “além de buscar capacitações, é importante passarmos pelo processo de autoconhecimento, para que possamos perceber o tamanho da dificuldade e o que é necessário fazer para superá-la”. Já aos empresários, disse que “é preciso cobrar a eficiência, mas é preciso também fornecer as ferramentas necessárias para que possamos atingir essa efetividade”, afirmou.

A primeira pessoa a ser atendida nesta quinta-feira no Sine foi Michele Veras, de 35 anos, formada em contabilidade pela UFT e que tem baixa visão e visão monocular. Ela foi entrevistada e disse estar confiante com a possibilidade de ocupar uma das vagas disponíveis. A responsável pela triagem da empresa entrevistadora, Jordana Barreira, disse que as chances de Michele ficar com a vaga são grandes. “O perfil da Michele é bem atrativo, ela tem habilidades sociais aguçadas e formação especifica para o cargo em questão. Ela é uma boa candidata e seu currículo será passado para uma avaliação mais avançada na empresa e ela poderá, a partir daí, se tudo der certo, ser efetivada”, disse ela.

Compartilhe esta notícia